DeFi ou Finanças Descentralizadas

DeFi ou Finanças Descentralizadas: riscos e oportunidades do avanço tecnológico

Share:

Siga no Google Notícias

No sistema financeiro tradicional, a movimentação de recursos financeiros ocorre por meio de instituições intermediárias, responsáveis por validar operações e registrar entradas e saídas de uma conta. Essas instituições realizam, entre outros serviços, a custódia de ativos, como depósitos e ações, além de empréstimos e financiamentos. Nas operações de crédito, as instituições autorizadas captam recursos de agentes econômicos com superávit e emprestam aos demandantes de recursos. A regulação financeira busca mitigar riscos de liquidez e inadimplência, sob supervisão do órgão regulador.

Nos últimos anos, o desenvolvimento da tecnologia tornou possível a movimentação de ativos sem a necessidade de uma instituição intermediária. Esse avanço tecnológico viabilizou a descentralização financeira, também conhecida pela sigla DeFi. O passo seguinte foi o uso dessa tecnologia para a programação de smart contracts, que permitem, além da transferência de ativos, a realização de empréstimos. As soluções DeFi buscam replicar os diversos serviços financeiros oferecidos pelas instituições tradicionais de forma autônoma e programável.

O futuro dessa proposta tem evoluído e sabemos que o avanço tecnológico sempre abre novas frentes de oportunidades e traz uma série de desafios. Este artigo apresenta algumas reflexões sobre o fenômeno DeFi, com base em documentos recém-divulgados por organismos internacionais. O foco está nas implicações sobre o mercado de crédito.

O crescimento das aplicações de DeFi vem provocando manifestações de bancos centrais e outros órgãos ao redor do mundo. Por que esse tema importa, afinal? Essa é a pergunta feita por um relatório da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). O órgão destaca o crescimento do volume de recursos movimentado pelas iniciativas de finanças descentralizadas e as conexões, ainda que indiretas, com os mercados financeiros tradicionais assim como criptoativos. O documento elenca as potencialidades e os riscos inerentes à proposta.

Entre as potencialidades, a OCDE menciona os ganhos de eficiência e eficácia decorrentes da negociação direta entre as partes, tornando as operações mais rápidas, potencialmente mais baratas e prometendo ser mais um vetor de inclusão financeira. Além disso, a ausência de políticas de Know Your Customer (KYC) pode ser uma porta aberta ao financiamento de atividades ilícitas, que seriam barradas pelo sistema financeiro tradicional. O documento ainda cita os riscos operacionais decorrentes de falhas tecnológicas e da falta de mecanismos de proteção aos investidores.

No sistema financeiro tradicional, a gestão de riscos tem longa história de aprimoramentos. Essa história estruturou a solidez do sistema financeiro, diminuindo o risco de crises financeiras e seu impacto na economia real. Além disso, o sistema financeiro passou a incorporar, mais recentemente, a temática ambiental, condicionando o acesso a recursos dos mercados de capitais e de crédito a boas práticas socioambientais e de governança. Uma questão que se coloca diante das finanças descentralizadas é de que forma compatibilizar o financiamento às atividades com esses interesses.

Como assinalou paper divulgado pelo Bank for International Settlements (BIS), a inovação do ecossistema DeFi tem características que podem moldar o futuro das finanças. O desafio regulatório será colocar o avanço tecnológico recente a serviço de um modelo que permita ganhos de eficiência e eficácia no mercado de crédito tradicional, sem prejuízo da estabilidade financeira e de outros interesses da sociedade, como a boa governança. Em resposta a esse desafio, surge o termo HyFi (Hybrid Finance), como um esforço de aliar a tecnologia por trás das finanças descentralizadas ao funcionamento das finanças tradicionais.

O setor dos birôs de crédito, que tem histórico de forte investimento em inovação, segue atento às transformações em curso no mercado de crédito, tanto no âmbito tecnológico quanto no regulatório. O setor entende que a inovação é um vetor importante de avanços na disciplina do crédito, e que esse processo deve ser regido pelo devido controle dos riscos e pela redução da assimetria informacional, que é parte do mercado de crédito.

Obrigado pela leitura! Acesse outros conteúdos na página da ANBC.

 

elias sfeir

 

Por: Elias Sfeir Presidente da ANBC & Membro do Conselho Climático da Cidade de São Paulo & Conselheiro Certificado

 

 

Você pode gostar:

segurança da informação
Birôs de crédito estão atentos à segurança da informação

Siga no Google Notícias Setores de atividade econômica que processam grandes volumes de...

Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais
Qualidade dos dados, um dos princípios da LGPD

Siga no Google Notícias Os dados são um dos principais ativos da atualidade....