Por que o modelo Opt out é ideal para o Cadastro Positivo?

Autor: Elias Sfeir
Presidente Executivo-ANBC e Conselheiro Certificado-Promovendo a Disciplina de Crédito e Governança Corporativa-Brasil

Compartilhe [addthis tool=”addthis_inline_share_toolbox_m3zg”]

 

A inserção de um CPF no banco de dados sob o conceito Opt in depende do interesse do consumidor. Esse modelo prevê autorização prévia por parte do consumidor para abertura de um cadastro.

Cadastro Positivo

No Brasil, o Cadastro Positivo foi regulamentado em outubro de 2012 no modelo Opt in, e progrediu lentamente. Em consequência, o instrumento de concessão de crédito ainda não proporciona os grandes benefícios previstos para o consumidor: a inclusão financeira e a redução da taxa de juros. Com mais informações de qualidade sobre os tomadores de crédito, as instituições financeiras mitigam os riscos de emprestar, o que possibilita juros menores para a população, reduzindo o risco de superendividamento.

Entre as ações propostas pelo Banco Central para estimular a economia no Brasil, está o aperfeiçoamento da legislação do Cadastro Positivo.

A ideia dessa nova proposta é que todos façam parte dele compulsoriamente, havendo possibilidade de solicitar exclusão caso seja essa a vontade do consumidor em questão. É o modelo Opt out, que permite que mais consumidores tenham acesso a crédito – mais barato e com melhores condições na contratação dos empréstimos.