crédito

Informações e garantias: como aprimorar o ambiente de crédito

Share:

Siga no Google Notícias

Desde 2003, o Banco Mundial organiza um ranking que classifica os países de acordo com a maior ou menor facilidade de fazer negócios. O objetivo do levantamento é comparar o ambiente regulatório entre diferentes países e, assim, ajudar na tomada de decisão das organizações. Com o ranking, é possível decidir, por exemplo, se é mais favorável começar e manter um empreendimento aqui ou em Bangladesh.

ranking avalia dez dimensões: da obtenção de alvará para construção de unidades empresariais ao processo de pagamento de tributos, passando pelo acesso ao crédito. Numa escala de zero a 100, o país atingiu uma pontuação de 59,1, sendo que a nota mais baixa foi na dimensão do pagamento de impostos. Nesse quesito, o Brasil somou 34,4 pontos, ficando entre os últimos colocados. Já a nota mais elevada foi obtida no processo de abertura de empresas (81,3 pontos). O gráfico abaixo detalha a pontuação brasileira em cada uma das dimensões do indicador:

O recorte do crédito

Embora o relatório permita uma análise mais detalhada de vários recortes regulatórios, vamos nos concentrar na contratação de crédito, ponto essencial para manutenção e desenvolvimento de negócios de todos os portes e setores.

A pontuação para o processo de obtenção de crédito foi de 50, também numa escala de zero a 100 pontos. Essa dimensão da facilidade de fazer negócios abriga dois quesitos, com desempenhos bastante diferentes. O primeiro deles avalia a profundidade das informações de crédito, medindo abrangência, cobertura e acessibilidade desses dados. Disponibilizar informações de crédito de pessoas físicas e jurídicas, positivas e negativas, conta pontos, bem como o número de indivíduos e empresas listados nos birôs de crédito.

O segundo quesito diz respeito ao grau de proteção de mutuários (aqueles que tomam um empréstimo) e mutuantes (aqueles que concedem um empréstimo) na legislação sobre falências e garantias. Esse aspecto da obtenção de crédito analisa, por exemplo, a possibilidade de um credor fazer valer seu direito de garantia fora dos tribunais, mediante acordo entre as partes, e a possibilidade de credores assegurados terem prioridade no pagamento em caso de liquidação da empresa devedora.

Na profundidade da cobertura das informações de crédito, o Brasil alcançou a pontuação máxima, ao lado de outros 53 países. De acordo com o relatório “Doing Business 2020”, o percentual de indivíduos com alguma informação de crédito nos birôs, tomando o horizonte de cinco anos, foi de 81,2%, um número acima do percentual médio observado entre os países da OCDE, que alcançou 66,7% no último levantamento.

O documento ainda mostra a importância da atividade dos birôs e a evolução desse setor ao redor do mundo. Em 2005, apenas 67% das economias tinham birôs de crédito privados ou registro público de empréstimos. Em 2019, esse percentual passou para 88%. Os dados colhidos pela instituição sugerem ainda que a presença dos birôs está associada a um nível maior de crédito como proporção do PIB.

É na qualidade da legislação sobre falências e garantias que se identifica uma grande oportunidade de aprimoramento do mercado de crédito brasileiro. Nesse quesito, o Brasil alcançou 2 pontos de um total de 12, abaixo inclusive da média dos países da América Latina e Caribe (5,3 pontos). Por meio de uma garantia, as instituições que concedem crédito conseguem limitar as perdas em caso de inadimplência. Nesse sentido, o avanço regulatório poderia, mais do que elevar a pontuação brasileira no ranking mundial, reduzir o custo de crédito na ponta, diminuindo a insegurança jurídica e estimulando a formação de novos negócios.

Um estudo do Banco Central estimou o impacto das garantias sobre as taxas de juros, comparando empréstimos garantidos e não garantidos tomados por um mesmo indivíduo, de modo a controlar os demais fatores que afetam o custo do crédito. Os resultados mostraram que as taxas de juros cobradas no crédito pessoal sem garantia são praticamente o dobro das praticadas nas operações com garantia.

A preocupação com o ambiente de negócios no Brasil motivou a edição da MP da Liberdade Econômica, em 2019, por meio da atuação da Secretaria de Desburocratização, Gestão e Governo Digital. Posteriormente, a medida provisória foi transformada em lei, liberando mais horários para funcionamento dos estabelecimentos, flexibilizando a legislação trabalhista e dispensando a apresentação de alvará para quem exerce atividades de baixo risco. Os novos marcos da liberdade econômica também consideram a realidade da digitalização, permitindo a emissão de carteira de trabalho por meio eletrônico.

Essa agenda continua. O objetivo é reduzir cada vez mais o peso burocrático que dificulta o desenvolvimento dos negócios. No tema da obtenção de crédito, a autoridade monetária e a Secretaria Especial de Modernização do Estado assinaram um memorando para melhorar a avaliação do Brasil nesse quesito. A meta é passar dos 50 pontos atuais para 70, até o fim de 2022. Outros acordos foram assinados, visando aumentar a pontuação nas outras dimensões do indicador e colocar o país entre as 50 primeiras economias com maior facilidade de fazer negócios. Seria um notável avanço.

 

Obrigado pela leitura! Acesse outros conteúdos na página da ANBC.

 

elias sfeir

 

Por: Elias Sfeir Presidente da ANBC & Membro do Conselho Climático da Cidade de São Paulo & Conselheiro Certificado

 

 

Você pode gostar:

Financial Citizenship, Cidadania Financeira
What does Financial Citizenship mean and why is it important?

Siga no Google Notícias In democratic systems, the concepts of Citizenship and State...

cooperativas de crédito
As cooperativas de crédito e sua importância no mercado

Siga no Google Notícias Por meio do associativismo, grupos da sociedade conseguem unir...